segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Com seus famosos aéreos, Filipinho despacha Slater e vai à semi nos EUA




Filipe Toledo encaixa aéreo nas quartas de final contra Kelly Slater, em Trestles (Foto: Divulgação/WSL)

Jovem aproveita conhecimento das ondas do "quintal" da sua casa e condição do mar, dá show e elimina o mito. Alex Ribeiro é eliminado por Parkinson nas quartas



Nem mesmo o maior nome da história do surfe consegue brecar Filipe Toledo nas ondas de Trestles. Considerado o favorito ao título da etapa americana do Circuito Mundial, por conta do seu vasto repertório de manobras em ondas de tamanho pequeno e médio, Filipinho encaixou dois dos seus famosos aéreos na noite desta terça-feira (tarde nos Estados Unidos) e despachou Kelly Slater com uma vitória por 18.37 a 15.60 para avançar à semifinal, 


quando enfrentará o sul-africano Jordy Smith, em duelo que acontecerá provavelmente nesta terça. Foi mais uma bela apresentação de Filipe no pico da Califórnia que fica bem perto da sua residência desde o ano passado. Nas fases iniciais da competição ele foi o surfista que mais empolgou. 
O Brasil poderia ter dois surfistas na semi, mas o calouro Alex Ribeiro, que surpreendeu ao chegar nas quartas pela primeira vez na carreira, foi eliminado pelo australiano Joel Parkinson por 14.27 a 12.40 na bateria que fechou a segunda-feira. Uma chamada será feita nesta terça, às 11h30 (de Brasília), para tentativa de realização do dia final em Trestles.
- Desde que comecei a surfar, desde que nasci, o Kelly é o maior surfista, ele é incrível. É muito legal ganhar dele, muito bom competir contra ele. Ele surfa muito bem e vem de vitória no Taiti. Eu estou amarradão por estar na semifinal - comentou Filipinho.
Onze vezes campeão mundial e ainda em grande forma aos 44 anos, Slater se rendeu a Toledo.
- Ele é o cara mais perigoso aqui, especialmente quando as ondas estão pequenas. Ele tem chance de vencer 99% da baterias nesta condição, soube capitalizar isso no quintal da casa dele, escolheu boas ondas e me venceu. Eu cometi alguns erros, mas ele mereceu vencer - disse Kelly, atual número 9 do ranking.
Em uma temporada na qual ficou fora de duas das sete primeiras paradas do Tour por conta de uma lesão femural sofrida na Austrália, o jovem paulista de 21 anos vai subir bem no ranking em que ele ocupa atualmente a 17ª posição e tem tudo para conquistar a quarta etapa da elite do surfe mundial na sua carreira. Em caso de triunfo em Trestles, Filipe pode até entrar na briga pelo título mundial nas três últimas etapas do Circuito Mundial (França, Portugal e Havaí).
O show de Filipe Toledo
Filipinho não quis perder tempo e, depois de entrar e sair de uma onda para tirar 1.50, ele pegou uma direita que parecia boa, mas acabou se mostrando pequena e sem boa parede. Com radicalidade, ele soube explorar o que era possível e recebeu nota 5.50. O dono de 11 títulos mundiais sabia que, para bater Filipinho em Trestles, ele precisaria fazer uma excelente escolha de onda. Por isso, ele ficou parado na arrebentação à espera de uma direita de qualidade que lhe proporcionasse manobras mais longas. Apenas depois de 12 minutos, Kelly dropou sua primeira onda. Foi uma esquerda em que ele fez manobras de borda, mostrou sua categoria e conseguiu alongar o máximo até fechar com tranquilidade para ganhar nota 7.33.
Filipe Toledo quartas de final Trestles (Foto: Divulgação/WSL)Filipe Toledo em aéreo nas quartas de final
(Foto: Divulgação/WSL)
Mesmo com a prioridade na escolha de onda, Filipe não quis esperar a chegada de uma onda de melhor nível e se jogou em uma direita. Ele acabou caindo depois de três manobras fortes e recebeu nota 4.83, passando a somar 10.33. Com 7.33, Slater só precisava de 3.00 para assumir a dianteira. Restavam 15 minutos. O mar, que já não era dos melhores, deu uma boa piorada, dificultando a vida de Filipinho e Kelly. A prioridade era do americano, mas o brasileiro soube enxergar uma direita e aproveitou bastante a parede que se formou para alçar voo. Com três batidas fortes e um dos seus famosos aéreos, o ubatubense descolou o notão 9.17. Porém, na onda de trás, com muita força, Slater mandou muito bem ao seu melhor estilo e obteve 8.27, se mantendo na ponta: 15.60 a 14.67.
Com oito minutos para o fim, Filipinho buscava 6.43. Kelly tinha a prioridade, mas acabou fazendo uma escolha de onda errada. O jovem veio na trás e deu um show particular. Batidas fortes, muita velocidade e um aéreo quase na areia. Ele tirou o notão 9.20 e assumiu a dianteira, faltando 4 minutos: 18.37 a 15.60. A vaga na semi estava muito perto. Kelly bem que tentou fazer milagre, mas era muito duro bater Filipe Toledo. Nem mesmo ele conseguiria.
Alex Ribeiro é eliminado por Joel Parkinson
Na primeira quartas de final de sua carreira na elite, o calouro Alex Ribeiro demonstrou que não estava para brincadeira e começou muito bem a bateria contra o australiano Joel Parkinson, campeão mundial em 2012. Após um nota pequena (1.77) do gringo, o paulista da Praia Grande escolheu uma esquerda e mandou ver nas fortes batidas para ganhar 7.50 dos juízes. Empolgado, Alex se jogou em uma nova esquerda, mas não conseguiu percorrer a parede e somou 2.83. 
Ainda restavam 20 minutos. Mas, ao vencer por 10.33 a 1.77, Parkinson obrigou o rival a buscar 8.56. O experiente surfista parecia estar desconectado com as ondas de Trestles, mas soube aproveitar uma direita pequena para encaixar manobras de borda e receber nota 6.00, passando a soma 7.77 e correr atrás de 4.34. Alex estava tranquilo, pois sabia que bastava ele trocar a sua segunda melhor nota (2.83) para abrir boa vantagem na dianteira.
Ribeiro pegou uma direita e tentou ser radical para aumentar seu somatório, mas, após três boas manobras, ele caiu na finalização. Levou 4.90. Na onda de trás, Joel Parkinson mostrou o seu vistoso estilo de alongar as manobras, mas a onda fechou e ele somou 5.90. Nos nove minutos finais, Alex vencia por 12.40 a 11.90, obrigando o aussie a buscar 6.41. Faltando seis minutos, Joel pegou uma onda que o brasileiro desprezou, deu seis manobras e ganhou nota 8.27, conseguindo a virada. Restando 3min30s, Ribeiro buscava 6.78. Mas ele pecou nas duas ondas que tentou e acabou tendo que ver Parkinson celebrar a vaga em mais uma semifinal.
BATERIAS DA QUINTA FASE
1. Michel Bourez (TAH) 8.46 x Brett Simpson (EUA) 15.00
2. Kelly Slater (EUA) 14.43 x Kolohe Andino (EUA) 14.07
3. Stuart Kennedy (AUS) 15.37 x Josh Kerr (AUS) 12.64
4. Jadson André (BRA) 12.83 x Joel Parkinson (AUS) 13.77
BATERIAS DAS QUARTAS DE FINAL
1. Jordy Smith (AFS) 14.87 x Brett Simpson (EUA) 10.43
2. Filipe Toledo (BRA) 18.37 x Kelly Slater (EUA) 15.60
3. Tanner Gudauskas (EUA) 15.13 x Stuart Kennedy (AUS) 9.17
4. Alex Ribeiro (BRA) 12.40 x Joel Parkinson (AUS) 14.27
BATERIAS DE SEMIFINAL
1. Jordy Smith (AFS) x Filipe Toledo (BRA) 
2. Tanner Gudauskas (EUA) x Joel Parkinson (AUS)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comments system

Disqus Shortname