segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Ubatuba Pro Surf Weslley impecável

Weslley Dantas tem domingo impecável no Ubatuba Pro Surf.
Weslley Dantas, Ubatuba Pro Surf 2016, Itamambuca (SP). Foto: Aleko Stergiou
Weslley Dantas, Ubatuba Pro Surf 2016, Itamambuca (SP). Foto: Aleko Stergiou
direita
Weslley Dantas, Ubatuba Pro Surf 2016, Itamambuca (SP). Foto: Aleko StergiouWeslley Dantas, Ubatuba Pro Surf 2016, Itamambuca (SP). Foto: Aleko StergiouRayan Kainalo, Ubatuba Pro Surf 2016, Itamambuca (SP). Foto: Aleko StergiouRaul Reis, Ubatuba Pro Surf 2016, Itamambuca (SP). Foto: Aleko StergiouOdirlei Coutinho, Ubatuba Pro Surf 2016, Itamambuca (SP). Foto: Aleko StergiouOdirlei Coutinho, Ubatuba Pro Surf 2016, Itamambuca (SP). Foto: Aleko Stergiou
Por  Alvinho Correa....
Foram quase 40 horas de surfe, 240 atletas e 14 categorias. Crianças, adolescentes, homens, mulheres, senhores e profissionais fizeram destes quatro dias mais um momento memorável na história dos 39 anos do circuito municipal de surfe. 



Apesar de as ondas terem diminuído bastante em relação ao dia anterior, a segunda etapa de 2016 fechou com chave de ouro, com uma final histórica que confrontou a experiência de um dos maiores surfistas do Brasil de todos os tempos e um fenômeno da nova geração que tem futuro certo na elite do circuito mundial.

O excelente público que lotou o canto direito da praia de Itamambuca neste domingo foi presenteado com uma atuação que beirou a perfeição de Weslley Dantas. Depois de iniciar a finalíssima com uma nota 9, Weslley, que é profundo conhecedor das ondas da Itamambuca e está apresentando um surfe muito forte e progressivo, achou uma boa esquerda e executou manobras precisas que arrancaram aplausos da torcida, lhe rendendo uma nota 10.

Mesmo pressionado por precisar de duas ondas, Odirlei Coutinho, que já foi vice-campeão brasileiro por três anos, deu um sabor especial para a final com uma onda quase perfeita que lhe rendeu 9,60 pontos, mas sem tempo suficiente para reverter o resultado. Geovane Ferreira e Gustavo Araújo ficaram em terceiro, parando na semifinal, nas primeiras baterias do dia.

Na categoria Pro Feminino, a experiência de Luana Coutinho foi decisiva na vitória da etapa. Açucena Vaz ficou com a segunda colocação, Jéssica Bianca em terceiro e Carol Araújo, irmã de Gustavo e que voltou às competições depois de 10 anos, ficou em quarto.

Na categoria Open Up 18, que contou com dois irmãos na final, o título ficou com Daniel Araújo, deixando o ex-atleta profissional Emerson Santos com a segunda colocação, Fabio Alves em terceiro e Everton Santos em quarto.

A categoria Mirim foi vencida por Matheus Gomes, que não deixou dúvida na final, aliando escolha de ondas e manobras progressivas. A segunda colocação ficou com Vinicius Mabel, Kauan Terra em terceiro e Daniel Adisaka em quarto.

Em sua segunda final do dia, na categoria Iniciantes, Daniel Adisaka teve uma atuação memorável, sendo campeão com impressionantes quatro ondas no critério de excelentes - duas notas 8,85, um 8,10 e um 8. Kauan Terra, que surfou em três finais, ficou em segundo, Gabriel de Souza em terceiro e Pedro Motta em quarto.

Um dos maiores destaques da competição, Ryan Kainalo comprovou ser um dos maiores talentos de sua idade no Brasil, não deixando dúvidas ao vencer duas categorias. Na Estreante, Guilherme Fernandes ficou em segundo, Lucio Rosário em terceiro e Gabriel de Souza em quarto. Na Petit, para atletas de até 10 anos, a segunda colocação ficou com Murilo Coura, Guilherme Fernandes em terceiro e Aleaby Leite em quarto.

Na Junior, Raul Reis foi o grande campeão, deixando Guilherme Vilas Boas na segunda colocação, Kalani Joan em terceiro e Munir Farah em quarto. A Feminino Iniciantes teve como vencedora Maju Freitas; Luana Soares ficou em segundo lugar, Maria Isabel em terceiro e Luiza Marques em quarto.

Com impressionantes 17 pontos na primeira fase, 18,50 na semi e 16,40 na finalíssima, Isaias Silva comprovou ser o melhor Grand Master da competição. Igor Mathey ficou em segundo, Alexandre Moliterno em terceiro e Cristiano Rebert em quarto.

Com surfe de garoto, Carlinhos Roberto também venceu duas finais. Na Grand Kahuna, acima de 50 anos, deixou Luiz Abud em segundo, Augusto Motta em terceiro e Mauricio Eras em quarto. Já na Long Kahuna, Claudio Silva ficou em segundo, Alexandre Miranda em terceiro e Fabio Chati em quarto.

Além de Kauan Terra, que competiu em diferentes modalidades, Alef Araújo mais uma vez comprovou ser um dos maiores supistas do Brasil, vencendo a categoria SUP Wave e deixando o jovem Kauan em segundo, Carlinhos em terceiro e Alex Miranda em quarto. Na Longboard Open, Alef ficou na segunda posição e Fabio Alves foi o grande campeão, ficando Mateus Santos em terceiro e Maike Finesse em quarto.

Mais do que um evento esportivo, o Ubatuba Pro Surf alia competição ao meio ambiente, arte, educação e definitivamente corrobora o verdadeiro significado do slogan oficial “A capital do surfe”.

A terceira e última etapa do Ubatuba Pro Surf vai acontecer na Praia Vermelha do Centro e está prevista para setembro deste ano. Fique ligado nas redes sociais @ausubatuba no Instagram e Facebook Associação Ubatuba de Surf.

Instituto Marazul

Outra ação que fez a diferença no Ubatuba Pro Surf neste fim de semana foi a palestra do Dr. Marcelo Baboghluian. Médico, especialista em Medicina Esportiva e responsável pelo acompanhamento de centenas de surfistas, entre eles campeões mundiais. O tema da explanação foi “Os Caminhos e Desafios para o Alto Desempenho do Atleta”. O evento aconteceu na sede da Sociedade Amigos da Itamambuca, direcionada para o staff do UPS, profissionais que trabalham com esporte e teve a fundamental a presença dos atletas ubatubenses.

O evento

O Ubatuba Pro Surf é apresentado pela Prefeitura de Ubatuba, conta com o patrocínio de Atmosfera, UPG Hotel, Juno Brasil, apoio da Wizard, Associação Comercial de Ubatuba, Rikwil, Follow, Federal Art, Brothers Açai, Itamambuca Eco Resort, Perfect Waves e Terral. A comunicação visual é feita pelo Uirá e o evento tem a colaboração do Hotel São Charbel, WCG Anchieta, Fisheye, Dunkel Volk, Toninhas Surf Club, Oficina das Pranchas, Wavestar, Sardinha Boteco, Banana Wax, D Carle Treinamento Funcional, Fibra Surf, Empório Cerealista, Maraberto e Up Drop. O circuito municipal é organizado pela Associação Ubatuba de Surf sob a supervisão da Federação Paulista de Surf. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comments system

Disqus Shortname