quinta-feira, 16 de abril de 2015

Filipinho não brilha nos tubos pesados e cai na repescagem em Margaret

Vice-líder do ranking, brasileiro quase vira no fim, mas perde para o neozelandês Ricardo Christie e dá adeus na 25ª colocação na terceira etapa do CT em 2015.



Filipe Toledo terceira etapa do circuito mundial de surfe 2015 margaret river (Foto: repropdução;wsl)


Filipe Toledo pega tubo durante a sua bateria de repescagem em Margaret (Foto: repropdução;wsl)


Considerado um dos melhores surfistas do mundo em ondas pequenas e médias, Filipe Toledo, o Filpinho, atual vice-líder do ranking mundial, demonstrou na noite desta quarta-feira (manhã de quinta na Austrália) que ainda precisa de mais experiência em ondas pesadas como as que estão rolando em Margaret River, na Austrália. No round 2 (repescagem) da terceira etapa do Circuito Mundial de 2015, o atual vice-líder do ranking foi eliminado pelo neozelandês Ricardo Christie, que venceu por 13,26 a 13,07, foi ao round 3 e fez o paulista fechar a disputa com a 25ª colocação e 500 pontos no ranking. Toledo quase virou nos segundos finais, mas ele tirou nota 5,47, quando precisava de um 5,67.


- Perdi duas ou três ondas... Nos últimos segundos, tive que pegar aquela onda, que era muito pequena, apesar de eu ter conseguido uma boa profundidade. Mas, tudo bem, faz parte. Agora é voltar para casa e treinar para a próxima etapa no Rio. Mal posso esperar para chegar em Trestles e me preparar e recuperar a liderança - afirmou Filipinho, citando a próxima etapa do CT, que acontecerá entre os dias 11 e 22 de maio, na Praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.
Uma boa campanha em Margaret era considerada muito importante para Filipinho, pois ele convive com a fama de só render em ondas menores. Foi nestas condições que ele venceu a etapa de abertura na Gold Coast e obteve a quinta colocação em Bells Beach. Filipinho começou Margaret com os mesmos 15.200 pontos de Mick Fanning, mas o australiano lidera o ranking por ter ficado à frente do brasileiro (2º contra 17º) na classificação final do ano passado.
A bateria entre Filipinho e Ricardo Christie começou com os dois surfistas demonstrando que não tinham medo das poderosas ondas de Margaret. Foi o brasileiro quem se jogou primeiro em um dos tubos do local. Ele não ficou muito tempo "entocado" e recebeu nota 5,00. Estreante da elite, o competidor da Nova Zelândia não demorou pouco mais de 11 minutos para encontrar uma boa onda para dropar. Mas, quando isso aconteceu, ele pegou um bonito tubo, ficou escondido por um período razoável e tirou uma nota 7,83 para assumir a dianteira.
Na segunda metade da bateria de 30 minutos, o jovem paulista soube esperar o momento certo para pegar uma pesada onda e conseguiu encaixar um tubo respeitável. Ele não ficou tão "escondido", mas foi valorizado pelos juízes: nota 7,60. Com isso, Filipinho virou a bateria e passou a liderar com 12,60 a 10,16, fazendo com que Christie precisasse de um 4,77 para desbancar o vice-líder do ranking mundial.
Ricardo foi atrás da pontuação que precisava e conseguiu isso faltando sete minutos. Para complicar a vida de Filipinho, o gringo pegou um tubo não muito longo, mas que foi suficiente para ele levar nota 5,43 e assumir a dianteira, com 13,26 a 12,60. Faltando seis segundos, Filipe pegou um tubo e tirou nota 5,47, mas ele precisava de 5,67 para virar.
Atual campeão mundial, Gabriel Medina não conseguiu mostrar o seu surfe e foi eliminado precocemente nesta quarta-feira à noite (manhã de quinta na Austrália) na terceira etapa da  temporada 2015 da Liga Mundial de Surfe, em Margaret River (AUS). Na repescagem (round 2), Medina somou 7,67 pontos e foi superado pelos 15,17 pontos do australiano Jay Davies, que não integra a elite do surfe mundial e está em ação em Margaret por ter sido vencedor da triagem. Com a queda, Gabriel soma ficou com a 25ª colocação e somou 500 pontos no ranking.
Apenas o nono colocado do ranking de 2015, com 6.950 pontos, após um inesperado 13º lugar na Gold Coast e um quinto em Bells Beach, ambos também na Austrália, Gabriel Medina esperava conquistar um bom resultado nesta terceira etapa para deslanchar nesta temporada em que busca o seu bicampeonato mundial consecutivo.
MINEIRINHO FICA PERTO DE NOTA 10 E ELIMINA ALEJO
Em ótima fase, Adriano de Souza, o Mineirinho, quase tirou a primeira nota 10 na etapa de Margaret River. Número 3 do ranking, o paulista pegou um grande tubo logo no início da bateria 2 da repescagem contra o catarinense Alejo Muniz e tirou nota 9,80. Depois, ele ainda conseguiu pegar ondas intermediárias e somou 13,90 pontos para bater o compatriota, que fez 11,33 pontos e se despede da competição em que atuou como convidado com a 25ª colocação.
- Eu estava no lugar certo. O drop foi muito difícil, mas consegui pegar um tubo gigante, três vezes maior do que eu. Estou muito feliz com o resultado, só não estou mais feliz porque tive que enfrentar o Alejo e o eliminar - afirmou Adriano de Souza.
Em busca do seu primeiro título mundial, o experiente Mineirinho segue com tudo para o round 3. Adriano foi terceiro colocado na etapa de abertura da temporada, na Gold Coast (AUS), e foi vice-campeão na segunda etapa, em Bells Beach (AUS), quando fez uma final emocionante com o australiano Mick Fanning, que somou o mesmo número de pontos, mas acabou levando o caneco por ter feito a melhor onda da bateria decisiva.
Na terça-feira, quando foi realizada todo o round 1, Miguel Pupo foi o único brasileiro a vencer sua bateria de estreia e passar diretamente para o round 3 em Margaret River. Número 8 do ranking, o paulista superou as difíceis condições das grandes ondas e bateu o compatriota Filipe Toledo e o irlandês Glenn Hall. Outros três membros do Brazilian Storm ainda disputarão o round 2: Jadson André, Wiggolly Dantas e Ítalo Ferreira, com direito a um outro duelo 100% brasileiro: Guigui x Ítalo, na bateria 10.
Assim como aconteceu nas duas primeiras etapas do CT neste ano, as meninas também estarão em ação em Margaret River. Única brasileira na elite, a cearense Silvana Lima está escalada para a quinta e penúltima bateria da primeira fase das meninas, quando ela vai enfrentar as australianas Tyler Wright e Laura Enever. 
BATERIAS DO ROUND 2
1. Gabriel Medina (BRA) 7,67 x 15,17 Jay Davies (AUS) 
2. Adriano de Souza (BRA) 13,90 x 11,33 Alejo Muniz (BRA) 
3. Josh Kerr (AUS) 9,33 x 4,83 C.J Hobgood (EUA) 
4. Filipe Toledo (BRA) 13,07 x 13,26 Ricardo Christie (NZL) 
5. Taj Burrow (AUS) 13,67 x 7,17 Brett Simpson (EUA) 
6. Owen Wright (AUS) 18,50 x 10,90 Dusty Payne (HAV) 
7. Nat Young (EUA) x Keanu Asing (HAV) 
8. Kolohe Andino (EUA) x Glenn Hall (IRL) 
9. Bede Durbidge (AUS) x Adam Melling (AUS) 
10. Wiggolly Dantas (BRA) x Ítalo Ferreira (BRA) 
11. Jadson André (BRA) x Matt Banting (AUS) 
12. Kai Otton (AUS) x Matt Wilkinson (AUS)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comments system

Disqus Shortname